Material Didático

Tudo para você ser aprovado nos melhores vestibulares do país

7/10/09

12) Recursos Estilísticos: Figuras de Linguagem

Figuras de linguagem são recursos estilísticos utilizados no nível dos sons, das palavras, das estruturas sintáticas ou do significado para dar maior valor expressivo à linguagem.

FIGURAS SONORAS

ONOMATOPÉIA

Chamamos de onomatopéia as palavras especiais criadas para representar sons específicos (“vozes” de animais, ruídos associados a determinadas emoções e comportamentos humanos, barulhos da natureza, etc.) Por exemplo: bum! (som de uma bomba explodindo).

ALITERAÇÃO

A repetição de fonemas consonantais com a intenção de criar um efeito sensorial é chamada de aliteração. Por exemplo: “…sem secar que o espinho é seco…”.

ASSONÂNCIA

A assonância é a repetição de sons vocálicos em sílabas acentuadas. Por exemplos: “Sou um mulato nato

PARONOMÁSIA

Quando ocorre semelhança sonora e gráfica intencionalmente utilizada no texto para ressaltar as diferenças de sentido, chama-se Paronomásia. Por exemplo: “…é cheia de pano/é cheio de pena…”

FIGURAS DE PALAVRA

METONÍMIA

A metonímia ocorre quando uma palavra é utilizada em lugar de outra, para designar algo que mantém uma relação de proximidade com o referente da palavra substituída.

A metonímia ocorre quando se troca:

- a parte pelo todo: Ele tem duzentas cabeças de gado em sua fazenda.
- o continente pelo conteúdo: João é bom de garfo.
- o autor pela obra: Sempre que tenho alguma dúvida, recorro ao Houaiss.
- a marca pelo produto: Você me empresta o durex?

Antonomásia

A antonomásia pode ser entendida como um tipo de metonímia que consiste na identificação de uma pessoa não por seu nome, mas por uma característica ou atributo que a distingue das demais. Castro Alves, o famoso poeta romântico, costuma ser chamado de Poeta dos Escravos por ter escrito muitos poemas que denunciavam o sofrimento dos escravos no Brasil do século XIX.

Sinédoque

Um outro tipo de metonímia é a sinédoque. Ela ocorre quando há a substituição de uma palavra por outra que sofre, no contexto, uma redução ou ampliação de seu sentido básico. Um conhecido exemplo de sinédoque ocorre no capítulo “Das negativas”, do romance Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis). Após fazer uma série de ponderações sobre sua vida, o narrador afirma:

“Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto.”

Nesse trecho, o sentido dos termos pão e suor está sendo ampliado. No contexto, pão refere-se a alimento e suor a trabalho. Para enfatizar o fato de a personagem nunca ter trabalhado na vida, Machado de Assis recorre a uma sinédoque.

COMPARAÇÃO

A comparação ocorre quando elementos de universos diferentes são aproximados por meio de um termo específico (como , feito, tal qual, qual, assim como, tal, etc.), por exemplo, “Ele está forte como um touro”.

METÁFORA

A mais conhecida das figuras de palavra, a metáfora, baseia-se na transferência de um termo para um contexto de significação que não lhe é próprio. As metáforas são criadas a partir de uma relação de semelhança que pressupõe um processo anterior de comparação. Pode-se dizer, portanto, que a comparação está na base da formação de metáforas. Por exemplo:

“O PIT BULL ESTÁ À SOLTA
EUA anunciam vasta verba militar. Mas Bush quer ainda mais.”

Neste caso, ocorreu a identificação do ex-presidente americano George W. Bush como uma raça de cães (pit bulls) conhecida pela agressividade foi feita por meio de metáforas.

CATACRESE

A catacrese ocorre quando, na falta de uma palavra específica para designar determinado objeto, utiliza-se uma outra palavra a partir de alguma semelhança conceitual. Por exemplo, pé da cadeira, fazendo alusão à parte da cadeira que dá sustentação.

SINESTESIA

A sinestesia ocorre pela associação, em uma mesma expressão, de sensações percebidas por diferentes órgãos de sentido. Por exemplo, a adorável voz torta (audição e visão).

FIGURAS DE SINTAXE

ELIPSE

A elipse é uma figura de sintaxe que ocorre quando há omissão de um termo que é possível descobrir pelo contexto. Por exemplo:

- Tem algo para dor de cabeça?
- Tenho.
(MENINA BATE COM O LIVRO NA CABEÇA DO HOMEM)
- …ou queria dizer para CURAR uma?
- Você já vai descobrir, sua…

No diálogo, há a omissão do termo dor de cabeça, mas pelo contexto do diálogo é possível descobrir.

Zeugma

A zeugma é uma forma específica de elipse que ocorre quando há omissão do termo pelo fato dele ter sido mencionado anteriormente, não havendo necessidade da repetição. Por exemplo:

“Poupa tempo, dinheiro e algo igualmente precioso: sua paciência.”

Na frase houve a omissão do verbo “poupa” para que a frase não ficasse repetitiva.

ANACOLUTO

A interrupção ou quebra de uma oração que se havia iniciado por uma palavra ou locução, seguindo-se uma estrutura que não se integra à parte interrompida, é chamada anacoluto. Por exemplo:

“Fomos ver o rio. E pouco andamos, porque já estava entrando pelas estrebarias. O marizeiro que ficava embaixo, a correnteza corria por cima dele. Era um mar d’água roncando.”

Na parte em negrito da frase, ocorre uma quebra de ação. Quando o autor fala sobre o marizeiro, espera-se que venha a seguir uma ação do marizeiro, até porque, aparece um advérbio de lugar. Porém, ocorre a quebra e aparece uma nova frase cujo sujeito é correnteza e ocorre uma ação.

ANÁFORA

A repetição de palavras no início de versos ou, nos textos em prosa, no início de orações cria uma figura de sintaxe chamada de anáfora. Por exemplo:

“…E se o oceano incendiar/E se o Arapiraca for campeão/E se à meia-noite o sol raiar…”

HIPÉRBATO

Na língua portuguesa, a ordem típica das orações é Sujeito -> Verbo ->   Complemento -> Adjunto Adverbial

Paulo comprou um DVD ontem (Exemplo)

Quando produzimos inversões nessa ordem (por exemplo: Um DVD, Paulo comprou ontem), criamos figuras de sintaxe denominadas, genericamente, hipérbatos.

Sínquise

Basicamente, Sínquise é quando se muda se inverte a ordem da frase radicalmente, chegando a provocar ambigüidade ou a dificultar a compreensão do que está sendo dito.

POLISSÍNDETO

A coordenação de vários termos da oração por meio de conjunções, especialmente as aditivas (e, nem), dá origem à figura de sintaxe chamada polissíndeto. Por exemplo: “e mata, e vive, e morre, e come…”

PLEONASMO

Em alguns casos, o desejo de enfatizar uma ideia leva à utilização de palavras ou expressões que, à primeira vista, pareceriam desnecessárias. Por exemplo: “vi claramente visto…”

FIGURAS DE PENSAMENTO

HIPÉRBOLE

Todas as vezes que nos referimos a algo de modo exagerado, criamos uma hipérbole. Por exemplo: Já te falei isso um milhão de vezes.

EUFEMISMO

Quando desejamos evitar o uso de palavras ou expressões que se consideram desagradáveis ou excessivamente fortes, podemos substituir esses termos por outros que atenuam a idéia original. Sempre que fazemos isso, criamos um eufemismo. Por exemplo: Ele faleceu, ao invés de, ele morreu.

PROSOPOPEIA

Denomina-se prosopopéia a atribuição de características humanas a animais e objetos inanimados. Por exemplo: Meu chapéu ficou triste com essa notícia.

ANTÍTESE

A associação de idéias contrárias, por meio de palavras ou enunciados de sentido oposto, dá origem à figura de pensamento conhecida como antítese. Por exemplo: “…a palavra pesada abafa a idéia leve…”.

Paradoxo

O paradoxo é uma espécie de antítese, porém a associação de idéias contrárias se torna impraticável, por se tornar absurda. Por exemplo: “Você é tão bonito que é feio”.

GRADAÇÃO

Quando criamos uma sequência de palavras ou expressões criando uma progressão (ascendente ou descendente), surge a figura de pensamento chamada gradação. Por exemplo: A Terra faz parte do sistema solar, o sistema solar faz parte de uma galáxia, junto com outros bilhões de sistemas e a Galáxia é apenas uma entre trilhões de outras galáxias.

APÓSTROFE

Na poesia, um recurso muito utilizado é a interpelação de uma pessoa (real ou imaginária), presente ou ausente, como uma forma de enfatizar uma ideia ou expressão. Esse recurso é chamado de apóstrofe. Por exemplo: “Oh Deus” (chamamento, invocação).

criado por sista_estudo    19:32:35 — Arquivado em: Gramática

3 Comentários »

  1. Ótima iniciativa, bem sucinto e didático o material apresentado.

    Comentário por Andrei Ivan Françoso Leite da Silva — terça-feira, 7 de setembro de 2010 @ 18:21:33

  2. Se você tem Smart TV esse é o site http://www.tvdigitalnopc.com.br

    Comentário por pereira — sexta-feira, 13 de julho de 2012 @ 23:16:45

  3. Olá,

    Muito bom o material. No site http://www.infoescola.com/portugues/figuras-de-linguagem/ também há uma ótima coletânea de figuras de linguagem para estudar.

    Comentário por Lucas — domingo, 9 de junho de 2013 @ 16:31:32

Deixe um comentário

Report abuse Close
Am I a spambot? yes definately
http://materialdidatico.blog.terra.com.br
 
 
 
Thank you Close

Sua denúncia foi enviada.

Em breve estaremos processando seu chamado para tomar as providências necessárias. Esperamos que continue aproveitando o servio e siga participando do Terra Blog.